Um castelo em evolução… é assim que eu definiria o Castello Sforzesco. Originariamente construído para ser uma fortaleza, foi reformada para ser a corte dos senhores de Milão e hoje é um lugar onde quem reina é a cultura. São vários museus que podem ser visitados com um único ingresso. Uma verdadeira imersão na história e na cultura.

 

Além do Duomo, o Castello Sforzesco é um outro lugar que não consigo “deixar pra lá” quando visito Milão. Virou uma das minhas paradas obrigatórias e, a cada visita, descubro algo novo e interessante lá dentro.

Completamente reformado para a Expo 2015, ele está na sua melhor forma, mesmo com quase 700 anos de idade! Vale a pena coloca-lo no roteiro!

História do Castello Sforzesco (bem resumida, genteeeee…)

Os Visconti

Galeazzo II Visconti, senhor da zona ocidental de Milão, decide construir uma fortaleza  entre os anos de 1360 e 1370, para se defender de ataques inimigos. Seus sucessores continuam o trabalho iniciado e constroem um castelo (Castelo Visconteo) e um parque.

Quando o último dos Visconti morre sem deixar herdeiros, Bianca Maria, filha ilegítima de Fillipo Maria é declarada sua sucessora. Ela se casa com Francesco Sforza (daí o nome do castelo), um poderoso general do exército e se tornam senhores de Milão.

Os Sforza

Francesco Sforza reconstrói a fortaleza dos Visconti, decora e amplia o castelo e encomenda a famosa torre projetada por Filarete – aquela gigante que vimos logo na entrada do castelo e que se tornou um dos símbolos da cidade de Milão.

Quando o primogênito de Francesco, Galeazzo Maria se casa com Bona di Savoia, transferem  a corte para o castelo, que ganha um aspecto nobre. Após a norte de Galeazzo, Bona se torna regente, mas logo o poder é usurpado de suas mãos por seu cunhado: Ludovico Maria, mais conhecido como Ludovico, Il Moro.

Ludovico (casado com Beatrice d’Este) é um amante das artes e chama ao castelo ninguém menos que Bramante e Leonardo da Vinci para embeleza-lo (já percebeu que obras do gênio te esperam por lá, né?). Nessa época que Leonardo afrescou a famosa e imperdível Sala delle Asse.

Depois disso, Beatrice morre de parto, o exército francês ataca Milão e depois de muitas batalhas, Ludovico morre prisioneiro na França em 1503.

Castelo nas mãos dos estrangeiros

Então, o castelo passa pelas mão de franceses, germanos, austríacos, volta para os Sforza, vai de novo para os austríacos até que chegaaaaaa…. tcharã… Napoleão Bonaparte!

Nesse período houve uma sucessão de destruição e reconstrução do castelo e aquela famooosa torre de Filarete serviu até para guardar munição francesa. E foi assim que boa parte dela foi destruída por uma explosão, causada por um raio.

Quando o castelo volta para os austríacos, é transformado em prisão para os milaneses prisioneiros de guerra. Imagina a raiva que o povo milanês pegou deste castelo?!?

A raiva foi tanta que, com o fim da dominação austríaca, os milaneses depredaram o castelo (gente!!! tem obra do Leonardo aí!!!!).

O Castelo dos milaneses

Foi só depois da Unificação da Itália que o castelo foi sendo restaurado e reconstruído e se tornou um centro de arte, história e cultura.

Bom…depois desta história toda, acho até que a visita ao castelo vai ficar mais interessante né?

Dica da Ana: caminhe calmamente pelos pátios e jardins, admire a fonte da entrada, as torres e aproveite para dar uma volta no Parco Sempione,que fica bem atrás do castelo.

Os Museus do Castelo Sforzesco

Estão alocadas nas dependências do castelo 18 instituições entre museus, coleções, arquivos e bibliotecas. Apesar de muito importantes e interessantes, nem todas, claro, são de interesse do turista que geralmente tem somente algumas poucas horas para visitar o castelo.

Para te ajudar com a visita, fiz um top 5. São 5 atrações imperdíveis do castelo e que absolutamente não podem ficar de fora do seu roteiro.

O que você não pode deixar de ver!

1 – La Pietà Rondanini, de Michelangelo

Na minha opinião, a Pietà mais linda que Michelangelo esculpiu. Toda vez que paro em frente a ela, um choque percorre meu corpo, tamanha é a carga emocional que se desprende daquela pedra.

Diferente de suas obras que retratam o corpo humano em sua anatomia perfeita, nesta obra Michelangelo deu menos importância à perfeição do corpo e esculpiu sentimentos e emoções. E, acredite, ele é capaz disso…

castelo sforzesco 

Maria e Jesus são retratados com seus corpos entrelaçados, logo após a retirada de Cristo da cruz. o  sofrimento de Maria é tanto, que a impressão que temos ao “sentir” a obra é que seu abraço tem o objetivo de devolver o filho querido ao seu ventre…e não à terra.

A obra está incompleta, o que na minha opinião a deixa ainda mais sentimental e misteriosa.

Onde: no antigo Ospedale Spagnolo, no Cortile delle Armi do Castello Sforzesco.

2 – La Madonna in Gloria (Andrea Mantegna)

Uma das mais famosas obras de Andrea Mantegna, artista padovano de época renascentista. Retrara Nossa Senhora ao centro, rodeado por querunbins 4 4 santos (San João Batista, São Gregorio Magno, San Benedetto e San Gerolamo).

Onde: La Madonna in gloria e santi Giovanni Battista, Gregorio Magno, Benedetto e Gerolamo está na sala XXIII della Pinacoteca.

3 – Sala delle Asse

Uma das importantes obras que atestam a presença de Leonardo da Vincia na corte dos Sforza. A Salla delle Asse é o ambiente mais lindo de todo o castelo!

4 – Museu Arqueológico – seção egípcia

Uma coleção de objetos egípcios! Cada múmia de arrepiar os cabelos! Imperdível para quem gosta dos mistérios egípcios.

5 – Museu de Arte Antiga

A coleção considerada a mais importante da região da Lombardia, possui quase dois mil itens da Idade Antiga, Idade Média e do Renascimento.

Na prática

Castello – aberto de segunda a domingo das 7 às 18 horas

Museus – abertos de terça a domingo as 9 às 17h30. Fecha dia 25/12, 01/01. O ingresso custa 5 Euros e dá direito a visitar todos os museus do castelo.

Entrada gratuita: todas as terças-feiras a partir das 14h00, de quarta a domingo a partir das 16h30, todos os primeiros domingos do mês (até 03/12/2017).

Leia também

Compartilhe!

Sobre o autor

Ana Grassi é especialista em língua, cultura e turismo para a Itália. Fundadora, autora e editora do blog ITALIAna, trabalha como travel designer há 10 anos; isso quer dizer que realiza o sonho dos viajantes que querem conhecer a Itália, com um roteiro personalizado e exclusivo!

Deixe uma Resposta