Conhecida como a pérola do Mar Jônico, Taormina inspirou artistas, pintores, poetas e escritores. Ficou muito famosa nos anos 80, quando serviu como locação do filme Imensidão Azul.

Taormina – uma pérola entre o céu e o mar

A história de Taormina começa no século IV a. C., quando alguns gregos sobreviveram ao massacre de Naxos,em 403 a.C. e decidiram ficar por ali mesmo, naquele lugar “mais ou menos” entre o mar e o vulcão Etna. Chamaram aquele lugar de Tauromenion, pois as colinas se assemelhavam ao touro (Monte Tauro).

A cidade grega foi, depois, dominada pelos romanos, pelos bizantinos e pelos normandos, sucessivamente. E já era meta turística desde épocas romanas!

Taormina continua inspirando até hoje! E você vai sentir isso na própria pele assim que chegar a uma das praças do centro da cidade, verdadeiros terraços panorâmicos. A vontade é de cantar, dançar, recitar poesias para aquela ABSURDA natureza que se apresenta.

Eu gostei muito de Taomina, mas tenho que confessar que o turismo “de um dia só” lá não me agrada! Isso porque a cidade tem segredos escondidos e, se você ficar um dia só, corre o risco de fazer o percurso básico turístico e deixar o mais bonito de fora.

Meu conselho é que se hospede pelo menos uns 3 dias em Taormina. Se quiser, pode usar um dia para fazer um bate e volta pelos arredores (visitar os cânions vulcânicos, por exemplo) ou curtir as lindas praias…

O que fazer em Taormina

1 – Corso Umberto I

A principal rua da cidade leva o nome do primeiro rei da Itália, Umberto I di Savoia (1878-1900) e era parte integrante da Via Valeria, que atravessava a cidade e chegava até o mar.

A rua ligava a cidade de Messina à Catânia e por isso é delimitada pela Porta Messina ao norte e Porta Catânia ao sul.

Percorrendo a rua, vai ver que existem milhaaares de lojinhas dedicadas tanto ao artesanato local, quanto às marcas de grandes redes. Preste atenção nos edifícios, construídos ao longo do tempo, com estilos diferentes: árabe, normando, gótico e barroco.

Não deixe, porém, de visitar a Igreja de San Pancrazio (construída sobre o Templo greco-romano de Júpiter) e a Igreja de Santa Catarina (construída sobre os restos do Odeon).

2 – Piazza Duomo

Na Piazza Duomo, estão:

  • a catedral dedicada a San Nicolò di Bari (São Nicolau), apelidada de Catedral-fortaleza devido aos elementos arquitetônicos típicos de construções de fortalezas medievais.
  • a fonte Quattro Fontane, construida em 1635, em estilo barroco.

3 – Piazza IX Aprile

Você vai reparar que nesta praça há uma porta, a Torre do Relógio (Torre dell’Orogio) que fazia parte dos muros medievais que separavam o burgo medieval das construções do período clássico.

A grande atração da praça é a vista! Dali você conseguirá avistar o vulcão Etna, a baía de Naxos e o Teatro de Taormina. Niente male…

Depois, ainda visite:

  • Igreja de San Giuseppe, construída com pedra de Siracusa entre os séculos XVI e XVII;
  • Ex-convento di Sant’Agostino (séc. XV), que se transofrmou em uma biblioteca.

4 – Palazzo Duca di San Stefano

O palácio onde moraram famílias potentes e importantes, como: os duques de Santo Stefano di Brifa e os Príncipes de Galati é lindo! Em seu interior acontecem exposições temporárias gratuitas.

5 – Teatro grego de Taormina (ou Teatro Antico)

É o mais antigo e mais bem conservado monumento de Taormina, construido no século III a.C. Em época romana imperial, foi ampliado e restaurado para que os espetáculos com gladiadores e animais ferozes pudessem acontecer ali.

O Teatro Grego de Taormina é o segundo maior da Sicília, depois do de Siracusa e ainda hoje acontecem espetáculos e eventos culturais em seu interior, principalmente entre os meses de junho a setembro.

6 – Villa Comunale (também chamado de Villa Colonna)

O que hoje são os jardins púbicos, antigamente era o jardim privativo de uma nobre inglesa, Lady Florence Trevelyan, que casou com o prefeito da cidade.

O jardim inglês é rico de plantas e flores provenientes de todo o mundo. O que eu achei mais interessante no jardim foi uma construção, em forma de pagode, de onde Lady Florence praticava seu hobby preferido: birdwatching (observação de pássaros).

7 – Isola Bella

A ilha, que já pertenceu a Ferdinando I di Borbone, é um dos simbolos da cidade de Taormina. Como ela fica muito próximo da praia Mazzaró, basta esperar a maré baixar e caminhar até lá! Assim, fácil, como se estivesse caminhando sobre as águas (dica: vá te chinelo porque as pedrinhas machucam muito o pé).

Lady Florence, aquela que casou com o prefeito da cidade, incluiu em meio a vegetação mediterrânea da ilha, algumas plantas tropicais, que ainda estão lá! E construiu no meio da ilha uma casinha, onde se refugiava nas horas mais quentes do dia.

Em 1954, uma vila foi construída na ilha. Olha gente…pra falar a verdade, eu não caminhei muito por lá pois ali existe um tipo raro de lagartixa e, se tem uma coisa que eu morro de medo nessa vida é lagartixa!

Compartilhe!

Sobre o autor

Ana Grassi é especialista em língua, cultura e turismo para a Itália. Fundadora, autora e editora do blog ITALIAna, trabalha como travel designer há 10 anos; isso quer dizer que realiza o sonho dos viajantes que querem conhecer a Itália, com um roteiro personalizado e exclusivo!

2 Comentários

  1. Cynthia de Goes on

    Olá Ana! Gostei das dicas sobre Taormina. Fare,os um cruzeiro romântico, num navio americano, que inclui a Itália, a Espanha e a França. Teremos poucos dias, um em cada poto italiano. As excursões oferecidas são boas, mas como falamos os idiomas locais, não queríamos ficar presos ao idioma e padrão americano nas paradas, também não queremos nada em português. Os portos italianos são: Amalfi, Civitavecchia, Taormina, Livorno e Santa Marguerita. Se tiver alguma sugestão, agradeço. Algum circuito a pé ou algum transporte público… Se tiver algum guia local, ou excursão para dois a indicar, aceito. Agradeço sua atenção. Abraço
    Cynthia de Goes

Deixe uma Resposta