Por fora, uma fortaleza; por dentro, um ninho de amor. Essa é a história resumida de um dos mais importantes e bem conservados castelos da Itália.
Desvende os segredos, as lendas e os mistérios do Castello de Torrechiara, que fica a apenas 15 quilômetros da cidade de Parma.

ELE: Pier Maria Rossi, senhor de Parma no século XV. Um homem apaixonado por arte e arquitetura, casado, pai de 10 filhos e que entrou para a história  não devido às suas conquistas territoriais, mas sim pelo seu caso extraconjugal.

ELA: Bianca Pellegrini, dama de companhia da Duquesa de Milão, casada. Se apaixonou por Pier Maria e foi viver com ele.

ONDE: Os dois se encontraram na corte milanesa do duque Francesco Sforza e se apaixonaram perdidamente. Pier Maria voltou para Parma e mandou construir o Castello di Torrechiara, para ser o ponto de encontro dos dois amantes.

O Castello di Torrechiara

Como nas fábulas de princesa, o refúgio secreto dos amantes – la camera d’oro –  era revestido de ouro e afrescos. Tais afrescos, contam as fases de tal história de amor, começando pelas flechadas do cupido, continuando com a peregrinação de Bianca de Milão a Parma, até sua chegada em Torrechiara, com Pier Maria ajoelhado aos seus pés.

O que parecia ser uma paixão arrebatadora,  mostrou ser, ao longo dos anos, um caso de amor verdadeiro. A então esposa de Pier Maria foi morar em um convento, onde ficou até sua morte.

Uma das lendas conta que Bianca, em noites de lua cheia, perambula pelo castelo em busca do seu amor e que beija os homens que encontra pelo caminho.

Fortaleza e Corte no mesmo castelo

Torrechiara foi concebida para servir de fortaleza em tempos de guerra e em corte em tempos de paz (com a presença feminina e festas). Assim, com uma arquitetura completa, praticamente não sofreu intervenções ao longo dos séculos e tudo está praticamente igual ao que era 550 anos atrás.

Quem chega em Torrechiara,  geralmente, está ansioso para chegar logo ao quarto dos amantes pombinhos, mas minha recomendação para você é: guarde a ansiedade e aprecie as salas que antecedem a Camera d’Oro, elas também são lindas e contam histórias sobre como era a vida  no castelo naquela época. Gostei muito da Sala di Giove e da Sala del Pergolato.

A Camera d’Oro

Mas, é claro que o ponto alto é mesmo a Camera d’Oro. No teto, os afrescos contam a história do casal. Todos os castelos de propriedade de Pier Maria (por volta de 30), são representados com muitos detalhes. Neste cenário, aparece Bianca vestida de peregrina e percorrendo as terras entre Milão e Parma, que a levará ao seu amado. Já no castelo de Torrechiara, Bianca aparece coroando Pier Maria, ajoelhado, como seu vassalo.

Após a morte do casal, Torrechiara passou pelas mãos de muitas famílias poderosas até ser vendido para a administração pública (não sem antes ter todo o ouro arrancado de suas paredes, claro).

 

Onde comer por perto

Almocei na Taverna del Castello, que fica dentro dos muros da fortaleza mesmo. Comi Tortelli, a massa típica da região, com dois tipos de recheio diferentes: ricota com espinafre e batata (divino). Também experimentei os frios típicos da região, incluindo o prosciutto di Parma, claro! A conta fica por volta de 30 Euros por pessoa.

Outras opções:

  • Il Mulino – Strada Mulino, 12a, Torrechiara
  • Villa Pallavicini – strada provinciale per Torrechiara, 14, Pilastro di Langhirano

Dica da Ana

Combine o passeio com…o Museo del Prosciutto!

O museu do Presunto de Parma DOP fica a 6 quilômetros do Castello di Torrechiara e é uma ótima opção de dobradinha para o dia, principalmente para quem se interessa de comida!!

Site: http://www.museidelcibo.it/prosciutto.asp

Na prática

Horário de abertura: O castelo fica aberto  o ano todo e fecha às segundas-feiras. De terça à sexta funciona das 9 às 19 e aos sábados e domingos das 10 às 19, nos meses de março a outubro. De novembro a fevereiro fecha às 17 horas.

Ingresso: 3 Euros

Como chegar: de carro  pela Strada Statale 665 em direção a Langirano. De trem até Parma e depois com o ônibus número 12 que parte a cada hora da estação.

Eventos: a agenda cultural do castelo é bem agitada, inclusive com concertos, canto gregoriano e vários festivais.

Informações: http://www.turismo.comune.parma.it/en

Visitei o Castello di Torrechiara a convite do Turismo Emilia Romagna, durante minha participação no projeto Blogville , em Bolonha.

Compartilhe!

Sobre o autor

Ana Grassi é especialista em língua, cultura e turismo para a Itália. Fundadora, autora e editora do blog ITALIAna, trabalha como travel designer há 10 anos; isso quer dizer que realiza o sonho dos viajantes que querem conhecer a Itália, com um roteiro personalizado e exclusivo!

Deixe uma Resposta